ENRIQUE VILA-MATAS LA VIDA DE LOS OTROS 
 índice     autobiografía     imágenes     obra     traducciones     premios     textos     la vida de los otros     recomendaciones     eventos

Tate. Doris Salcedo. La grieta






Tate. Doris Salcedo. La grieta






Tate. Doris Salcedo. La grieta






Dibujo de K






Tate. Doris Salcedo. La grieta
VILA-MATAS, DE ESCRITOR A PERSONAGEM *

GUILHERME FREITAS

Os livros de Enrique Vila-Matas estão cheios de escritores: os que desistiram da literatura, os tão obcecados por ela que veem a própria vida em termos literários, os que ele admira e outros tantos que inventou. É quase uma consequência lógica, portanto, que o próprio Vila-Matas tenha virado personagem, com participações mais ou menos discretas em obras recentes de autores como Paul Auster e Alberto Manguel. No Brasil, ele aparece em dois novos livros: o romance “Se um de nós dois morrer”, de Paulo Roberto Pires, que gira em torno de um protagonista fascinado pelo autor catalão e será lançado mês que vem pela Alfaguara, e “Conversas apócrifas com Enrique Vila-Matas” (Editora Modelo de Nuvem), de Kelvin Falcão Klein, um ensaio em forma de diálogo imaginário. Às vésperas de desembarcar no país para uma conferência no 3 Congresso de Jornalismo Cultural, promovido pela revista “Cult” na próxima semana em São Paulo, Vila-Matas se diverte com a coincidência:
— É um castigo, estão fazendo comigo o que fiz com tantos escritores — brinca o autor, em entrevista ao GLOBO por telefone, de sua casa, em Barcelona.
Além dessa conferência, na terça-feira, às 19h, no Sesc Vila Mariana, o escritor fará outra no Instituto Cervantes de São Paulo, no dia seguinte, às 19h30m (ambas mediadas por Paulo Roberto Pires). Na passagem pelo país, lançará o romance “Dubli$” (Cosac Naify, tradução de José Rubens Siqueira), no qual volta a se apropriar da obra de autores clássicos — desta vez os irlandeses James Joyce e Samuel Beckett — para criar uma narrativa original.
O protagonista de “Dublinesca” é Samuel Riba, um editor falido de Barcelona que, desencantado com a decadência do mundo das letras (“A passagem da galáxia Gutenberg para a galáxia Google”, costuma dizer), viaja à capital irlandesa, acompanhado de um grupo de amigos escritores, para celebrar “o funeral da literatura”. A data não poderia ser mais significativa: 16 $junho, o Bloomsday, quando leitores do mundo tudo homenageiam o dia em que se passa a obra-prima de Joyce, “Ulysses”.
Com um protagonista que “apresenta uma notável tendência a ler sua vida como um texto literário”, é natural que “Dublinesca” esteja repleto de trechos de outros livros, alguns evidentes (um capítulo de “Ulysses” tem função importante na trama), outros cifrados e muitos inventados (como os do fictício romancista checo Vilém Vok). Um autor para quem as citações são “vozes e fantasmas que entram e saem sigilosamente dos livros”, como diz o argentino Ri$Piglia na orelha da edição brasileira, Vila-Matas fez da assimilação de textos alheios um método de escrita, como se pode ver em livros como “História abreviada da literatura portátil”, “Bartlebly & cia.” e outros.
— Para mim, a intertextualidade é uma máquina de narrar. Se chego a um beco sem saída, vou à biblioteca, abro um livro e, quando encontro uma frase que eu sublinharia, incluo-a na narrativa, mas transformada, de modo que ela já não pertence a seu autor — explica.
Em “Dublinesca”, Joyce e Beckett são as principais fontes para as reflexões de Vila-Matas so$a história da literatura do século XX, que ele vê como um percurso que vai da “vitalidade” do autor de obras ambiciosas como “Ulysses” e “Finnegans Wake” ao “esgotamento” do escritor que, na peça “Esperando Godot”, concebeu um texto em que “nada acontece, duas vezes”, como já afirmou um crítico. Mas se o próprio Beckett criava a partir dos impasses que o angustiavam — paradoxo resumido na última frase de seu romance “O inominável”: “Não posso continuar, vou continuar”—, então o esgotamento da literatura também tem potencial criativo, aponta Vila-Matas.
— Uma forma de manter a literatura viva é colocá-la sempre em questão. Ao longo da história, o que os escritores têm feito é revitalizá-la colocando-a em crise, do contrário ela cairia fulminada, morta. “Dublinesca” é uma paródia do funeral da literatura. Assim, o livro vira uma grande festa, como naquela canção espanhola que fala de um morto que sai para farrear.


O 'personagem' Enrique Vila-Matas

Acostumado a tomar escritores como protagonistas de seus livros, Enrique Vila-Matas viu-se nos últimos tempos na curiosa posição de se tornar, ele também, personagem. No Brasil, ele aparece em dois novos livros: "Se um de nós dois morrer", de Paulo Roberto Pires, que gira em torno de um protagonista fascinado pelo autor catalão e sai em junho, e o recém-lançado "Conversas apócrifas com Enrique Vila-Matas", de Kelvin Falcão Klein, um ensaio em forma de diálogo imaginário. A pedido do Prosa & Verso, os dois autores responderam à pergunta "Por que transformar Vila-Matas em personagem"?


Paulo Roberto Pires

Fazer de Enrique Vila-Matas personagem é virar o feitiço contra o feiticeiro: afinal, foi ele quem começou o jogo insano e inesgotável de apagar as fronteiras entre biografia e ficção, ficção e ensaio. Ao lê-lo pela primeira vez – "Baterbly e Cia.", acho – tive vontade de escrever sobre ele. Mas ao avançar, principalmente sobre "Paris não acaba nunca" e "Doutor Passavento", achei mais divertido levar até o fim aquela ideia de ficção, criando um personagem que se insurge contra Vila-Matas, ele mesmo entrando na história durante a Flip de 2005. Desde que comecei a escrever perdi o referencial várias vezes e cheguei a encontrar o próprio Vila-Matas, por acaso, fazendo check-in num mesmo hotel de Paris – que é onde um certo Passavento também se hospeda. Por isso não me espanto que, na semana que vem, esteja a seu lado numa conferencia cujo tema é um escritor que faz uma conferência sobre intertextualidade. Difícil mesmo vai ser determinar quem é personagem de quem. 

(Paulo Roberto Pires é editor da revista "Serrote" e autor do romance “Se um de nós dois morrer”, que sai em junho pela Alfaguara)


Kelvin Falcão Klein

Um livro sobre Vila-Matas é, antes de mais nada, um livro com Vila-Matas. Funciona na base de uma possessão temporária, como se várias máscaras fossem trocadas ininterruptamente. As vozes são compartilhadas e se confundem; logo se perde a gasta noção de “origem”. A autoria passa a funcionar como mais uma peça dentro de um grande procedimento de montagem. Um frenesi de assimilação percorre as páginas de seus livros, e transformá-lo em personagem é assinar um pacto lúdico com uma rede de ficções que nunca cessa. O bom livro é aquele que se esforça em deixar elementos ainda por realizar, aquele que instiga o leitor a perseguir uma lacuna que jamais será suprida, um livro que leve a outros livros. Nos textos de Vila-Matas, a ênfase sobre o caráter subalterno da criação literária, a partir de figuras como Robert Walser e Borges, retira a carga hierárquica do contato e investe na construção de uma comunidade, uma conjura, um bando – que sempre tem lugar para mais um, por menor que seja esse um. 

Kelvin Falcão Klein é doutorando em Teoria Literária na Universidade Federal de Santa Catarina e autor do livro de ensaios “Conversas apócrifas com Enrique Vila-Matas” (Editora Modelo de Nuvem).


* versão digital do suplemento literário de O Globo
 índice     autobiografía     imágenes     obra     traducciones     premios     textos     la vida de los otros     recomendaciones     eventos
www.enriquevilamatas.com